MAIS DUAS NOTAS

30 \30\UTC julho \30\UTC 2017 at 12:06 Deixe um comentário

*Desde cedo pipocavam foguetes, o que dava para supor que haveria festa para um santo. Porém como não houve, ou não ouvi, a tradicional alvorada, imaginei que o pipocar seria anúncio de algum evento municipal notável. Como sempre ocorre, tudo aqui merece ser festejado. Durante todo o dia fogueteadas esparsas feriam os ouvidos, essa é a terra do foguetório desde que o traficante André da Graça rebocou pra cá SM D. Pedro II a fim de visitar nosso saudoso porto flúvio-marítimo. Há de se acostumar.

Porém nada me havia preparado para a espantosa barulheira do início da noite do dia 25 deste julho, quando “trocentas” motos e uns tantos carros com as descargas abertas invadiram nossas ruas pipocando, roncando, chiando, fazendo mil outros ruídos desagradáveis para festejar São Cristóvão. Eu escrevi festejar? É possível isso?

Furdunço para festejar santo? Acordando velhos, crianças e doentes, impedindo que trechos de programas de televisão fossem ouvidos, obrigando os moradores das ruas por onde passava o estrondoso desfile a trancar as janelas e se esconder no fundo dos quintais, ao contrário do que se vê em outras manifestações religiosas? A isso se chama festejar?

Será que o santo pretensamente homenageado aprovaria essa doideira? No meio do barulho um veiculo transportava a imagem do santo – acho que era aquela esculpida por Uilton Mallet. São Cristóvão foi um santo pacato, solidário, bondoso, que ajudava pessoas a atravessar um rio perigoso, homem bom, simples, apesar de filho de rei, que não acreditava em Cristo até que precisou atravessar um garoto, que ficava cada vez mais pesado à medida que adentrava na corrente da água, como se carregasse o peso do mundo nos ombros. Quando o depositou no chão e o menino se identificou Cristóvão se converteu.

Será que esse homem bom, tranquilo e calado, ficou satisfeito com esse tipo de “homenagem”, logo ele, que utilizava a canoa, o mais silencioso meio de transporte? O povo reclamou, bastava se ouvir os comentários indignados dos fregueses da padaria, do açougue e da banca de jornais no dia seguinte.

 

* Meus netos Pedro e Ana se estranham por conta da proximidade da data de seus aniversários, ele em agosto, ela em setembro, inaugurando a primavera. Esse estranhamento costuma acontecer com irmãos.

Nos meus tempos de criança, na época em que tinha aproximadamente a idade que eles têm hoje, as festas de aniversários infantis eram de uma pobreza franciscana se comparadas com as de agora.

A mãe assava um bolo simples e delicioso, que era coberto por glacê branco onde salpicava  bolinhas de cores variadas, mais comuns as vermelhas, amarelas e azuis, e no meio delas a vela que indicava a idade que completava o (a) excitado (a) aniversariante que, depois do jantar, reunidas as crianças da vizinhança, a assoprava ao som do indefectível parabéns procê. Durante o dia a mãe preparara balinhas de café, que eram amorosamente enroladas em papéis celofane coloridos, com a ponta esfiapada. Tinha também bolinhas de doce de mamão verde polvilhado de açúcar, carapitos, cajuzinhos e, se a situação financeira paterna permitisse, um litro de guará – guará, guará, melhor refrescante não há – e outro de crush. Delícia pura!

Os presentes eram quase sempre sabonetes baratos, caixinhas pequenas de lápis de cor e outras miudezas. Como ficávamos felizes! Hoje o aniversariante recebe presentes eletrônicos, caros, que logo serão abandonados pelos cantos da casa e presenteia seu convidado com bolsinha ou saquinho cheios de bobagens que não passarão do dia seguinte. E ainda saem falando mal!

SJB/jul.l7

 

 

Anúncios

Entry filed under: Crônicas.

15ª FLIP – FESTA LITERÁRIA INTERNACIONAL DE PARATYI Os papa-capins

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Últimos Posts


%d blogueiros gostam disto: