ANDANDO PELA HELLAS

22 \22\UTC outubro \22\UTC 2013 at 14:18 1 comentário

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

A estranheza que me ocorreu nessa viagem à Grécia foi seu idioma. Embora ele tenha originado grande número de vocábulos da língua portuguesa facilmente identificáveis eu não consegui entender o que diziam nem o que estava escrito. Frustrante. Mas só isso, o resto foi como imaginava esse polo de civilização. A Grécia é beleza e história.

Há a Grécia atual, moderna, limpa, bonita, com excelentes hotéis, bom transporte urbano e infraestrutura. O guia avisou que os moradores do país o chamavam de Hellas e a si mesmos de helenos e não de gregos. Há também a Grécia muito antiga, com seus monumentos históricos e arquitetônicos, seus museus e suas escavações. Nesse quesito, quanto mais escavam mais encontram antigas cidades. As escavações são fontes de descobertas e conhecimentos. Só em Troia já foram encontradas sete cidades, umas sobre as outras, e parece que tem mais por baixo.

Minha visita começou por Atenas, a magnífica capital, na margem do mar Egeu. Esse e outros nomes, como Mykonos, Sparta, Meteora, Patras, Delphos sempre despertaram minha fantasias desde muito jovem. Sonhava vê-las. E não acreditei que estivesse lá quando me vi diante do famoso azul do mar Egeu, do histórico estádio olímpico Panatehenaic, do arco de Adriano, de tantos lugares com mais de não sei quantos mil anos de idade. Pura emoção.Mas os nomes que constam nos cardápios e nas placas das ruas não consegui ler, O alfabeto dos alfas, betas, etc tem até a letra E, maiúscula e minúscula com cedilha.

Panayotis, o primeiro dos dois guias que conduziram nosso grupo, alertou que o país tem tremores de terra diários, mas de pouca monta. Zeus me poupou dessa experiência e durante os 10 dias que fiquei lá nem um tremorzinho aconteceu. Os guias falam demais e muitas vezes, durante sua explanação eu saía do ar e viajava dentro de meu sonho realizado. Como no meu tempo de escola, quando sem querer me desligava do que o mestre dizia e vogava pelos mares do sonho.

Comi muito carneiro e peixe, lá carne de boi é pouco usada. Mas as azeitonas e o azeite são especiais. A Grécia tem oliveiras em tudo quanto é lugar, até nos vasos de decoração dos hotéis, lojas e igrejas, que por sinal estão em toda a parte. Nas rodovias impecáveis e bem sinalizadas vemos nas margens pequenas igrejas com lâmpadas votivas marcando os locais de acidentes de trânsito fatais, parece que o país é o campeão na modalidade morte nas estradas na Europa. Aqui cruzes, lá capelas.

Todas as casas são obrigatoriamente de um branco imaculado com janelas azuis ou marrons. Algumas igrejas tem sua cúpula externa pintada de azul, o azul dos mares Egeu e Jônico que banham o país e que são unidos por um canal de 6,3 km escavado na rocha em Corinto. Os edifícios têm no máximo quatro andares – uns poucos chegam a seis – e seguem as mesmas regras de pintura das casas. Lindo de se ver. Nos dias seguintes vi lavouras de algodão, videiras arrumadas como ninhos de cegonha por causa dos ventos constantes, olivais que parecem não ter fim, florestas de pinheiros, muitas colmeias e manadas de carneiros. Boi vi dois ou três e poucas galinhas. Tropas de grandes burros cortam as ruas das ilhas, arreados, um antigo transporte hoje a serviço do turismo.

As ilhas. O mar Egeu é repleto delas e entre elas tanques para a criação de peixe em cativeiro. O povo grego tem forte tradição de pesca, mas com o crescimento do turismo poucos restaram nessa lida não tão perigosa já que o Egeu, como explica o guia, é um mar civilizado, sem ondas e sem tubarões, pronto a receber os majestosos iates dos cruzeiros e dos magnatas.

Na próxima crônica voltarei a falar das ilhas, em especial de Mykonos e Santorini.

Anúncios

Entry filed under: Crônicas.

MAIS LIVROS QUE MERECEM SER LIDOS PASSEANDO PELA HELLAS II

1 Comentário Add your own

  • 1. Renato Alves Teixeira  |  23 \23\UTC outubro \23\UTC 2013 às 16:32

    Carlos Sá
    Como estás ?
    Voce, passeando pelas hellas e eu aqui pelas alas da cidade da poeta Narcisa Amália e da pescador Lourenço do Espírito Santo.
    Precisamos colocar o papo em dia. Me liga.
    Renato Teixeira
    (21) 7102 – 5410 e (21) 92738558

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Últimos Posts


%d blogueiros gostam disto: