CHUVA REDENTORA

18 \18\UTC agosto \18\UTC 2012 at 14:52 Deixe um comentário

A chuva forte atravessou a madrugada e empapou a cidade. Lavou as folhas das árvores, os cocares das palmeiras, as ruas, as calçadas traiçoeiras, novos e antigos prédios, os  veículos e animais desavisados. Só não lavou a mancha que a corrupção sistêmica deixa em todo o país.

Ao amanhecer, bentevís ensopados, pousados nos fios pediam socorro ao céu nublado. E o país vai pedir socorro a quem,  se o vírus da corrupção já contaminou todo o tecido social? Se os honestos emudecem para não serem chamados de bobos ou otários? Dá dó ver um país como o nosso, com uma economia pujante e possibilidades infinitas de crescimento, ser  freado por essa maldita propensão ao surrupio de verbas públicas, ao desvio criminoso de recursos destinados a hospitais, creches, escolas, pesquisas.

É terrível se ver o povo de rua dormindo nas calçadas, se defendendo da chuva com papelões e jornais, as pessoas morrendo nas portas dos hospitais por falta de vaga, crianças deixando de frequentar a escola por falta de transporte e de merenda, remédios guardados em galpões até perder a validade e com isso levando alguns ao desespero e à morte. Meu Deus, tudo isso em pleno século XXI!

Será que a vergonha não vai se alastrar por aqui? Mas é preciso, para que os ricos municípios produtores de petróleo não deixem parte de sua população na miséria, na ignorância e no abandono. Quando alguém pode ver sem chorar que a má distribuição de renda aumenta o número de roubos, de assassinatos, de estupros, de sequestros? Quando os administradores públicos vão perceber que lhes cabe toda a culpa por essas mazelas e que um dia vão ter de prestar contas de seus malfeitos? Que escorre por seus dedos hábeis em manipular verbas o sangue aguado de seus concidadãos? Que seu descaso, negligência ou incompetência aumentam a dor de seu povo?

Há duas coisas que são citadas como as famosas palavras que consolam: a lei do retorno  e a justiça divina. A lei do retorno diz que todo bem ou todo o mal que alguém pratica retorna para ele com força redobrada e a justiça divina é aquela que, dizem, tarda mas não falha.

Existirão mesmo essas instâncias que poderão ao menos consolar os desfavorecidos da sorte? Seria muito bom se fosse verdade, se gente pudesse comprovar, aqui e agora, que funcionam. Além de frear a cobiça e a falta de escrúpulos de certos políticos, que só entram nas eleições pensando em tirar vantagem, ainda evitaria que a desilusão tomasse conta dos homens bons.

A gente pode mesmo ter esperança de um dia ver os bandidos de colarinho branco serem punidos e o erário público ressarcido? A impunidade machuca a alma dos corretos, dá um desânimo enorme nos empreendedores, solapa a confiança nas instituições públicas, na sociedade organizada. É de doer.

A gente tem de acreditar, pelo menos na lei do retorno, pensar que quem nos rouba vai ser roubado mais adiante, que quem provocou, com sua corrupção, ganância, incompetência e descaso vai receber justo castigo.

Seria bom, né não? Que reflexões trazidas pela chuva lavassem esse mundo. Chuva redentora!            

Anúncios

Entry filed under: Crônicas.

O AMANTE DO FUTEBOL DE VIAGENS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Últimos Posts


%d blogueiros gostam disto: